BRASIL BUSCARÁ APOIO DOS ESTADOS UNIDOS PARA AVANÇAR NA EXPLORAÇÃO DE ÓLEO E GÁS NÃO CONVENCIONAIS

BRASIL BUSCARÁ APOIO DOS ESTADOS UNIDOS PARA AVANÇAR NA EXPLORAÇÃO DE ÓLEO E GÁS NÃO CONVENCIONAIS

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

WhatsApp Image 2020-02-03 at 13.54.45O Brasil vai buscar nos Estados Unidos uma inspiração para avançar na exploração de recursos não convencionais de óleo e gás. A informação foi revelada nesta segunda-feira (3) pelo Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que participa hoje do Primeiro Fórum de Energia Brasil-EUA, no Rio de Janeiro. Ao lado do secretário americano de energia, Dan Brouillette, Albuquerque comentou que o Brasil quer se beneficiar da exploração do shale.

O que estamos fazendo é mostrar a nossa realidade associada à realidade americana e aquilo que poderia ser aproveitado do nosso marco regulatório. Um dos pontos que estamos procurando avançar, e nos ressentimos de não ter um marco regulatório que ampare esse tipo de investimento, é o shale gas”, afirmou o ministro, durante entrevista coletiva. Albuquerque seguiu dizendo que o Brasil que trabalhar neste tema com os Estados Unidos nesse sentido, mas sem detalhar como será a cooperação entre as duas nações. “Queremos nos beneficiar nesse tipo de produção de gás e de óleo associado a esse tipo de atividade não convencional”, completou.

O ministro explicou que a cooperação entre Brasil e EUA no setor de óleo e gás visa criar um melhor ambiente de negócios para o setor, seja ele no comércio internacional, na  realização de leilões ou a fim de permitir segurança regulatória e jurídica para investidores.

Durante o fórum, os governos de Brasil e Estados Unidos estão discutindo uma agenda de cooperação conjunta não apenas em óleo e gás, mas também em energia nuclear e eletricidade/eficiência energética. No evento, conforme noticiamos mais cedo, foi assinado um Memorando de Entendimento que amplia a cooperação bilateral entre a Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares (ABDAN) e o Instituto de Energia Nuclear (NEI, na sigla em inglês). Logo depois, também foi assinada uma Carta de Intenções entre a Eletronuclear e a Westinghouse, visando a extensão da vida útil de Angra 1.

Estamos acostumados a trabalhar com planejamento. E planejamento tem que ter um acompanhamento. Isso que nos propusemos a fazer daqui pra frente. Teremos reuniões frequentes para que possamos realizar um acompanhamento em tudo que aquilo que poderá ser alcançado no setor de energia entre o Brasil e os Estados Unidos”, afirmou o ministro Albuquerque.

Link Original

Preencha para ter acesso às edições da revista